Desafios para a gestão do novo normal

Artigo de Opinião de João Moreira, CEO da Abaco Consulting, para a Exame: https://visao.sapo.pt/exame/opiniao-exame/2020-07-28-desafios-para-a-gestao-do-novo-normal/

Sobreviver a uma crise com uma boa liderança não é apenas apoiar os resultados ou minimizar o impacto económico nos negócios
 
Estes são tempos incertos, com mudanças internas, regulamentos externos e flutuações do mercado. Esta pandemia é, tal como todas as outras crises, acelerada, exaustiva e provoca desorientação. As informações mudam diariamente e as decisões tomadas numa manhã estão desatualizadas na manhã seguinte. Neste sentido, todos os Gestores empresariais enfrentam, neste momento, escolhas bastante difíceis na resposta a este novo “normal”.

Enquanto que numa primeira fase, os CEOs focaram-se nas consequências da crise do coronavírus, bem como pôr em prática todos os mecanismos necessários para que as organizações se adaptassem à situação e conseguissem tirar o maior partido de tudo o que estávamos a viver. Agora, é essencial que se foquem no pós-pandemia. É natural, que em tempos de crise, os Gestores das Organizações se concentrem essencialmente no aqui e no agora. Mas, não podem nunca perder de vista olhar para o futuro e perspetivar que caminho queremos que a nossa organização siga daqui em diante. Saber antever novas mudanças, problemas, ser flexível, transparente e estar preparado para possíveis imprevistos.

Mas, para tal, é fundamental que seja capaz, no meio da incerteza, de apontar o caminho. De manter a tranquilidade e passar confiança. E ensinar isso. O que sabemos e o que não sabemos? O que podemos ou não podemos controlar? Recolher informação, procurar partilhar com outras pessoas e outros setores, dados, pontos de vista, ideias, ações, e pô-las em prática com as nossas pessoas.

Para muitas empresas, este novo tempo será bastante diferente daquilo que conheciam. E, agora, o desafio, é conseguirem definir e implementar medidas de forma a se adaptarem a esta nova realidade. Fazer evoluir os seus modelos de negócios e construir soluções que não apenas sobrevivam, mas que também prosperem no novo cenário de negócios que irá advir.

Mas como nos preparamos para o futuro, que é tão incerto?Nada será como antes e isso já todos percebemos, muitas são as mudanças que nos têm sido impostas e, cada vez serão mais as que irão surgir. Penso que as principais mudanças, a que todos temos de estar a atentos, serão no modo como as empresas se irão relacionar. Acho que já conseguimos todos perceber que somos igualmente eficientes em modo remoto. O facto de haver menos deslocações (menos tempo em viagens) vai permitir um aumento de interações diárias e o ritmo com que tomamos (ou recebemos) decisões irá acelerar. Perspetivo também alguma pressão na capacidade de entrega e na necessidade de existirem ferramentas que nos permitam acompanhar esse ritmo. Na mesma linha, acho que o teletrabalho aumentará consideravelmente e assistiremos a uma diminuição do espaço útil de trabalho nos escritórios. A segurança nas redes e nas aplicações passa a ser uma preocupação, assim como a sua capacidade para gerir o tráfego de grandes quantidades de informação. As ferramentas de monitorização e acompanhamento de saúde e segurança no trabalho, vão definitivamente entrar na agenda, pois é necessário reagir rápido se acontecer uma situação semelhante.

No entanto, a principal mudança estará relacionada com o nosso alcance a nível de mercado. O modelo descentralizado de trabalhar e de negociar vai permitir que o nosso mercado passe efetivamente a ser global, uma vez que iremos fazer negócio de igual modo com um cliente Português ou com um cliente em qualquer parte do mundo, uma vez que a transformação digital chegou a todos ao mesmo tempo.

Embora todo este novo mundo pareça assustador e represente uma enorme responsabilidade para os CEOs, uma vez que têm de definir e implementar a melhor estratégia para conseguirem atingir o sucesso num mundo pós-crise, a boa notícia é que podemos transformar toda a situação numa oportunidade para melhorar a forma como todos fazemos os nossos negócios. Neste novo e desconhecido futuro, tudo é candidato à mudança: desde o marketing, passando pelas vendas, comércio, serviços, soluções até ao suporte. Desta forma, porque não usar esta ocasião para desafiar, proactivamente, as regras de longa data e liderar o caminho para um setor mais forte e capaz de oferecer melhores experiências aos clientes?

No entanto, para isso, é fulcral que os Líderes retirem alguns insights desta “Era” e que tenham o cuidado de não se tornarem complacentes. É um facto que os tempos de crise acabam sempre por diminuir e a vida volta ao normal – mesmo que esse “normal” pareça um pouco diferente. E, por isso, em algum momento, como já assistimos ao longo da história, uma nova crise, provavelmente, surgirá de forma inesperada, tal como aconteceu agora. Perante este contexto, o desafio dos CEOs enquanto líderes de negócios é manterem-se preparados para a próxima crise, que pode inevitavelmente surgir.

Sobreviver a uma crise com uma boa liderança não é apenas apoiar os resultados ou minimizar o impacto económico nos negócios. Uma boa liderança é a forma transparente e verdadeira como comunicamos, em qualquer circunstância. É manter a calma e confiança no futuro. É saber apontar um caminho, mobilizar, motivar e materializar em ações cada passo que damos para seguir nesse rumo. Mais do que nos reinventarmos temos de nos redescobrir e encontrar novas formas de criar valor para os nossos Clientes, Parceiros e Colaboradores.

Leave a comment

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.